Executivo da Foxconn conseguiu roubar 5700 iPhones

foxPior que ser roubado por algu√©m fora de uma empresa √© ser roubado por algu√©m da pr√≥pria empresa! Depois de uma auditoria interna √† Foxconn, foi descoberto que entre o ano 2013 e 2014 foram ‚Äúdesviados‚ÄĚ 5700 iPhones. Os modelos em quest√£o foram¬†o iPhone 5 e 5S.

S√£o aos milhares os iPhones produzidos por dia pela Foxconn. Uma boa parte desses smartphones s√£o submetidos a processos de qualidade para depois serem colocados √† venda. Mas, de acordo com as informa√ß√Ķes publicadas no AsiaOne, um executivo da Foxconn ter√° definido um esquema de furto, em colabora√ß√£o com alguns funcion√°rios, e conseguido desviar 5700 iPhones que lhes renderam 1,5 milh√Ķes de d√≥lares.

O caso só agora foi conhecido depois de uma auditoria interna à empresa. O executivo da empresa, que tem como sobrenome Tsai, arrisca agora uma pena de prisão que pode rondar os 10 anos caso seja considerado culpado pelo tribunal.

Fonte: https://pplware.sapo.pt/apple/executivo-da-foxconn-conseguiu-roubar-5700-iphones/

Plano da Odebrecht √© vender R$ 12 bilh√Ķes em ativos para fazer caixa

Ap√≥s fechar o acordo de dela√ß√£o premiada e leni√™ncia, o conglomerado baiano Odebrecht tem pela frente o desafio de recuperar sua credibilidade, fortemente abalada pelo envolvimento no pagamento de propinas, e reduzir sua pesada d√≠vida, que beira R$ 110 bilh√Ķes, o que pode comprometer as opera√ß√Ķes do grupo.¬†O plano √© vender R$ 12 bilh√Ķesem ativos para fazer caixa.

O grupo, que está encolhendo com a venda de importantes negócios, busca convencer bancos e investidores que está mudando para conseguir os financiamentos que necessita para se manter em pé, segundo fontes ouvidas pelo Estado.

Com um faturamento da ordem de R$ 126,6 bilh√Ķes(no acumulado dos √ļltimos 12 meses at√© junho), a companhia come√ßou a vender empresas e renegocia as d√≠vidas de suas subsidi√°rias. Das d√≠vidas pendentes, conseguiu renegociar a da divis√£o Agroindustrial, produtora de a√ß√ļcar e √°lcool, de cerca de R$ 13 bilh√Ķes.

Mas um dos casos mais sens√≠veis √© o da Odebrecht √ďleo e G√°s ‚Äď o conglomerado precisa renegociar US$ 3 bilh√Ķes, mas depende de uma negocia√ß√£o com a Petrobr√°s para manter contratos de seis sondas. A empresa de Transportes tamb√©m passa por dificuldades, sobretudo, para conseguir tocar obras de concess√Ķes de rodovias que ganhou nos √ļltimos anos.

Nesse contexto, a volta do financiamento do BNDES √© considerado fundamental. Estima-se que pelo menos R$ 5 bilh√Ķes est√£o represados para dar seguimento a obras nacionais da companhia. Recentemente, o banco tamb√©m anunciou a suspens√£o de financiamentos para a exporta√ß√£o de servi√ßos das construtoras que t√™m contratos no exterior, o que afeta diretamente o grupo. ‚ÄúO governo ter√° que fazer escolhas. J√° perdemos 70 mil empregos, o governo est√° disposto a perder mais 100 mil postos de trabalho?‚ÄĚ, questiona um executivo da empresa, referindo-se as funcion√°rios demitidos da Odebrecht desde o in√≠cio da Lava Jato e os que ainda est√£o nos quadros da empresa.

Encolhimento. Al√©m de reduzir seus quadros de funcion√°rios em um ter√ßo, o grupo tamb√©m se desfez de alguns ativos importantes ‚Äď caso da Odebrecht Ambiental, por US$ 878 milh√Ķes, para a gestora canadense Brookfield. O grupo tamb√©m vendeu para o fundo canadense ativos no Peru e avalia se desfazer de concess√Ķes rodovi√°rias, de energia e sua participa√ß√£o no aeroporto do Gale√£o.

Fontes de mercado afirmaram que há investidores estrangeiros interessados na participação que o grupo baiano tem na Braskem, braço petroquímico da companhia em sociedade com a Petrobrás.

Em comunicado nesta quinta-feira, 1.¬ļ,¬†ao mercado, o diretor presidente da Odebrecht S/A, Newton de Souza, disse que o grupo ‚Äúest√° passando por um processo de revis√£o da forma de se organizar, de conceitos, de pol√≠ticas e diretrizes‚ÄĚ.

Fonte: http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,plano-da-odebrecht-e-vender-r-12-bilhoes-em-ativos-para-fazer-caixa,10000092067

Odebrecht assina acordo de leniência de R$ 6,7 bi com a Lava Jato

OdebrechtA Odebrecht come√ßou a assinar nesta quinta-feira o acordo de leni√™ncia, em Curitiba, com procuradores que integram a for√ßa-tarefa da Opera√ß√£o Lava Jato, que inclui tamb√©m os¬†Estados Unidos e a Su√≠√ßa. O acordo prev√™ multa de R$ 6,7 bilh√Ķes com prazo de pagamento de 20 anos. Com a leni√™ncia, esp√©cie de dela√ß√£o premiada de empresas, a companhia¬†admite irregularidades em contratos com o governo e, em troca,¬†poder√° continuar sendo contratada pelo poder p√ļblico.

Parte dos executivos da empresa está em Brasília para começar a assinar os acordos de delação premiada.

At√© h√° alguns dias, o¬†√ļltimo entrave na mesa para o acordo estava¬†relacionado¬†ao valor que seria¬†pago pela empresa aos Estados Unidos, como multa da leni√™ncia negociada entre as autoridades americanas, o Brasil e a Su√≠√ßa. Os EUA pressionavam por um valor maior, o que gerou um impasse na reta final das negocia√ß√Ķes. Como o dinheiro ser√° repartido entre os tr√™s pa√≠ses, a exig√™ncia de montante maior pelos americanos gerou um entrave na negocia√ß√£o.

Dela√ß√Ķes.¬†No caso das dela√ß√Ķes, as tratativas foram encerradas e restam apenas as formalidades de assinatura do acordo.¬†Apesar de a fase de negocia√ß√£o estar praticamente conclu√≠da, o material ainda n√£o ser√° enviado ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Antes de encaminhar as dela√ß√Ķes para homologa√ß√£o, os procuradores precisam concluir a valida√ß√£o de depoimentos dos delatores, o que pode se estender at√© as v√©speras do recesso do Judici√°rio, que ter√° in√≠cio em 20 de dezembro.

A expectativa é de que após a assinatura dos acordos de delação e leniência a Odebrecht divulgue um comunicado à sociedade sobre a situação do grupo.

Fonte: http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,odebrecht-assina-acordo-de-leniencia-de-r-6-7-bi-com-a-lava-jato,10000091935

A Circular 3.809, que valerá no próximo ano, deve favorecer o apetite dos bancos para empréstimo.

dci-financas-291116

Corrupção e ausência de ética afundam nossas esperanças

Resultado de imagem para desanimadoTodo dia basta abrir a internet, ver a rede social, ligar o radio, assistir a tv, que aparece um opera√ß√£o da Policia Federal, que levantou desvio de verba, pagamento de propina, ex-funcion√°rios da Petrobras dizendo que receberam poprinas em caixa de uisque, utiliza√ß√£o de familiares em “opera√ß√Ķes citricas”, digo “laranjas”, informa√ß√Ķes de politicos que possuem fazendas de cria√ß√£o de gado, que s√£o utilizadas para lavar dinheiro, empreiteiros que conhecendo a legisla√ß√£o criam estruturas bem complexas para pagamento de proprinas para obten√ß√£o de vantagens em obras do governo, profissionais que lessam empresas por falhas de controles internos, fraudes de boletos na internet, clonagem de cart√£o, entre outras coisas.

Falar de preven√ß√£o a fraude, corrup√ß√£o e lavagem de dinheiro, fica cada dia mais dificil, pois muitos me perguntam e o que tenho a falar sobre a tal da repatria√ß√£o, n√£o seria uma forma de registrar as opera√ß√Ķes ilicitas? Eu gostaria de evidenciar, que tamb√©m acho um absurdo, por√©m √© muito dificil explicar para as pessoas, que devemos fazer a nossa parte, devemos ser honestos, mas tem muita gente que n√£o faz e deixam evidentes a falta de honestidade, conduta e √©tica, por esse motivo √†s vezes me sinto sem esperan√ßas e muito triste com tudo isso, neste posnto nos tornamos pessoas amargas no que tange ao comportamento das pessoas no mundo corporativo.

Algumas empresas estão premiando profissionais que fazem as coisas corretamente, pois tem tanta gente fazendo besteira, que devemos motivar uma minoria que segue as regras e estão em compliance com a vida, seja ela profissional ou pessoal, vale salientar que estou generalizando, se voce faz as coisas corretamente, faça como eu lamente.

Tenho esperan√ßas de um futuro melhor, mas devemos mudar a postura das pessoas, para que possamos muda a cultura de um povo, pois este modelo de levar vantagem em tudo, a antiga “Lei de Gerson”, deve ser melhor avaliada.

Por Marcos Assi