Pela primeira vez, Vale ter√° membros independentes em seu conselho

Com a eleição, a mineradora passa a ter três mulheres em seu conselho de administração. Foto: Wilton Junior/Estadão

A Vale ter√° pela¬†primeira vez dois membros independentes em seu conselho de administra√ß√£o. Em assembleia geral extraordin√°ria (AGE) realizada nesta quarta-feira, 18,¬†foram eleitas as especialistas em governan√ßa corporativa Sandra Guerra e Isabella Saboya, ambas indicadas pela gestora brit√Ęnica de recursos Aberdeen. As duas tomam posse no dia 26 de outubro.

A primeira vota√ß√£o aberta foi a do sistema de elei√ß√£o em separado dos detentores de a√ß√Ķes ordin√°rias (ON) – que exclui os controladores – pelo qual √© preciso atingir o qu√≥rum de 15% dos pap√©is. Sandra Guerra recebeu 62,7% dos votos computados, em disputa com o advogado Marcelo Gasparino, indicado pelo fundo Gera√ß√£o Futuro L. Par e pela Tempo Capital.

J√° Isabella Saboya recebeu 96,6% dos votos no processo de elei√ß√£o majorit√°ria na disputa com o engenheiro e mestre em finan√ßas Ricardo Reisen, conselheiro de empresas como a operadora de telefonia Oi e a Light. A candidata recebeu pouco mais de 1,7 bilh√£o de votos, de um total de 1.819.309.980. O n√ļmero expressivo indica que os acionistas relevantes da Vale, reunidos at√© pouco tempo em bloco de controle na Valepar (Bradespar, Mitsui, BNDES e fundos de pens√£o estatais como Previ), exerceram seu voto.

Com a elei√ß√£o de Sandra e Isabella, a mineradora passa a ter tr√™s mulheres em seu conselho de administra√ß√£o. Al√©m delas, est√° no conselho desde o fim do ano passado a diretora do Bradesco Denise Pavarina. Ao todo a Vale tem 12 vagas em seu conselho. Presente √† AGE, Sandra Guerra definiu o resultado como “hist√≥rico” em rela√ß√£o a participa√ß√£o de mulheres em companhias brasileiras. “Infelizmente √© um fator inovador”, disse.

O diretor-geral da Aberdeen no Brasil, Peter Taylor, afirmou que a gestora acredita que os dois nomes v√£o contribuir com a evolu√ß√£o da governan√ßa da Vale. Tamb√©m destacou que a diversidade melhora a din√Ęmica e as decis√Ķes no conselho. A Aberdeem det√©m 1,6% do capital da Vale e a√ß√Ķes em outras 25 companhias brasileiras, como Bradesco e Multiplan.

Sandra Guerra destacou entre os desafios da companhia a reestrutura√ß√£o rumo a condi√ß√£o de “true corporation” (empresa de capital disperso, sem controle definido), busca por efici√™ncia e uso consciente de seu excedente de caixa. “Saio da assembleia com os ombros mais pesados por conta dessa responsabilidade, mas muito entusiasmada pelo caminho que a Vale tem pela frente”, disse Sandra Guerra.

A escolha de nomes independentes para compor o board da mineradora de ferro faz parte das medidas para alçar a empresa ao Novo Mercado. O segmento exige a presença de pelo menos 20% de independentes no colegiado.

Fonte: economia.estadao.com.br Рvale-tera-pela-primeira-vez-membros-independentes-em-seu-conselho

Ex-gerente √© preso em opera√ß√£o que investiga esquema que desviou mais de R$ 10 milh√Ķes do Banco do Brasil

Operação cumpre mandados em cidades do Paraná, São Paulo, Goiás e Distrito Federal (Foto: Divulgação/Polícia Civil )

Um ex-gerente do Banco do Brasil foi preso pela Pol√≠cia Civil na manh√£ desta ter√ßa-feira (17) em uma opera√ß√£o que investiga um esquema de fraudes que desviou mais de R$ 10 milh√Ķes da institui√ß√£o banc√°ria.

A a√ß√£o foi batizada de “Sangria” e cumpre 54 mandados judiciais em cidades do Paran√°, S√£o Paulo, Goi√°s e Distrito Federal. O homem foi preso na casa dele, em Curitiba.

De acordo com as investiga√ß√Ķes, o ex-gerente trabalhou em uma ag√™ncia que fica no Centro de Curitiba e contava com a ajuda de um contador e outras pessoas. O contador tamb√©m foi preso, segundo a pol√≠cia.

O grupo é suspeito de simular e criar contas com documentos falsos para a liberação de créditos e financiamentos. O dinheiro também era desviado para empresas, ainda de acordo com a polícia.

Do total de mandados, sete s√£o de pris√£o tempor√°ria e outros sete s√£o de condu√ß√£o coercitiva –quando a pessoa √© levada para prestar depoimento. Tamb√©m s√£o cumpridos cinco mandados de bloqueios de bens, 16 de bloqueios de contas banc√°rias e 19 de busca e apreens√£o.

As investiga√ß√Ķes apontam que, al√©m do Banco do Brasil, o esquema criminoso teria lesado s√≥cios que n√£o tinham conhecimento dos fatos.

Os crimes investigados na a√ß√£o s√£o de peculato, falsifica√ß√£o de documentos p√ļblicos e particulares, expedi√ß√£o de duplicatas simuladas, lavagem de dinheiro e associa√ß√£o criminosa.

As investiga√ß√Ķes come√ßaram no ano passado, ap√≥s uma queixa do Banco do Brasil.

Por meio de nota, o banco informou que, “ap√≥s identificar ind√≠cios de irregularidades, concluiu investiga√ß√Ķes da Auditoria Interna que resultaram na demiss√£o por justa causa de um funcion√°rio, em junho de 2016, e na apresenta√ß√£o de not√≠cia crime √† pol√≠cia”.

O Banco do Brasil tamb√©m afirmou que seguir√° colaborando com as investiga√ß√Ķes policiais para que todos os fatos sejam esclarecidos.

De acordo com as investiga√ß√Ķes, o ex-gerente trabalhou em uma ag√™ncia que fica no Centro de Curitiba e contava com a ajuda de um contador e outras pessoas. O contador tamb√©m foi preso, segundo a pol√≠cia.

O grupo é suspeito de simular e criar contas com documentos falsos para a liberação de créditos e financiamentos. O dinheiro também era desviado para empresas, ainda de acordo com a polícia.

Do total de mandados, sete s√£o de pris√£o tempor√°ria e outros sete s√£o de condu√ß√£o coercitiva –quando a pessoa √© levada para prestar depoimento. Tamb√©m s√£o cumpridos cinco mandados de bloqueios de bens, 16 de bloqueios de contas banc√°rias e 19 de busca e apreens√£o.

As investiga√ß√Ķes apontam que, al√©m do Banco do Brasil, o esquema criminoso teria lesado s√≥cios que n√£o tinham conhecimento dos fatos.

Os crimes investigados na a√ß√£o s√£o de peculato, falsifica√ß√£o de documentos p√ļblicos e particulares, expedi√ß√£o de duplicatas simuladas, lavagem de dinheiro e associa√ß√£o criminosa.

As investiga√ß√Ķes come√ßaram no ano passado, ap√≥s uma queixa do Banco do Brasil.

Por meio de nota, o banco informou que, “ap√≥s identificar ind√≠cios de irregularidades, concluiu investiga√ß√Ķes da Auditoria Interna que resultaram na demiss√£o por justa causa de um funcion√°rio, em junho de 2016, e na apresenta√ß√£o de not√≠cia crime √† pol√≠cia”.

O Banco do Brasil tamb√©m afirmou que seguir√° colaborando com as investiga√ß√Ķes policiais para que todos os fatos sejam esclarecidos.

Como funcionava o esquema

O esquema contava com a participa√ß√£o direta do ex-gerente do banco, segundo a pol√≠cia. O contador abria contas banc√°rias sem o conhecimento dos donos das empresas, com documentos falsos. Esses dados eram repassados para o gerente-geral, que realizava os empr√©stimos financeiros e as antecipa√ß√Ķes de t√≠tulos.

Ainda segundo a Polícia Civil, o ex-gerente chegou a alterar o cadastro de empresários no sistema do banco, sem que eles soubessem, para que as transferências bancárias fossem realizadas. Esses recursos eram transferidos, posteriormente, para contas de empresas envolvidas com a quadrilha.

 Fonte: g1.globo.com/pr/parana Рpolicia-civil-faz-operacao-e-mira-esquema-de-fraudes-no-banco-do-brasil-que-teria-desviado-r-10-milhoes

Brasil cumpre indicador de liquidez de curto prazo (LCR), diz Comitê de Basileia

Resultado de imagem para comite da basileiaO Comit√™ de Supervis√£o Banc√°ria de Basileia avaliou hoje que o Brasil cumpriu os regulamentos do √≠ndice de cobertura de liquidez (LCR, na sigla em ingl√™s), que se aplica a bancos com ativos acima de R$ 100 bilh√Ķes e que mede a capacidade das institui√ß√Ķes de resistirem a estresses de curto prazo. O grupo informou que avaliou a medida, que integra as recomenda√ß√Ķes de Basileia III, tamb√©m na Austr√°lia, no Canad√° e na Su√≠√ßa e que, em todos os casos, os pa√≠ses seguem os padr√Ķes globais de Basileia, atingindo o mais alto dos quatro graus poss√≠veis.

As avalia√ß√Ķes fazem parte do Programa de Avalia√ß√£o de Consist√™ncia Regulat√≥ria (RCAP) do Comit√™ e, com as publica√ß√Ķes de hoje, o grupo completou sua revis√£o da implementa√ß√£o de LCR para todas as jurisdi√ß√Ķes que s√£o seus membros. O documento divulgado h√° pouco explica que, durante as avalia√ß√Ķes, foram identificados mais de 200 desvios do quadro LCR de Basileia, mas que a grande maioria deles j√° foi corrigida. ‚ÄúEm geral, a implementa√ß√£o da LCR em todas as jurisdi√ß√Ķes foi avaliada como compat√≠vel ou em grande conformidade, um ponto abaixo do grau mais alto‚ÄĚ, considerou o Comit√™ no relat√≥rio divulgado h√° pouco.

‚ÄúA conclus√£o dessas avalia√ß√Ķes e o alto n√≠vel de consist√™ncia internacional alcan√ßado na implementa√ß√£o do LCR √© um testemunho do compromisso cont√≠nuo dos membros do Comit√™ de Basileia de implementar as reformas de Basileia III. √Č essencial manter esse impulso na implementa√ß√£o do resto das reformas p√≥s-crise indicadas pelo Comit√™ ‚Äú, disse em nota o presidente do grupo e do Sveriges Riksbank (o banco central da Su√©cia), Stefan Ingves.

O Comit√™ de Basileia √© formado por 45 membros de 28 jurisdi√ß√Ķes, constitu√≠dos por bancos centrais e autoridades com responsabilidade formal pela supervis√£o do setor banc√°rio. Al√©m disso, o grupo tem nove observadores, incluindo bancos centrais, grupos de supervis√£o, organiza√ß√Ķes internacionais e outros √≥rg√£os.

Em janeiro, o Banco Central brasileiro publicou uma circular estabelecendo a metodologia de c√°lculo do LCR. Desde o in√≠cio do ano, as institui√ß√Ķes financeiras dom√©sticas fazem o c√°lculo de requerimento de capital diariamente ‚Äď at√© ent√£o, a contabilidade era mensal. Dentro do LCR, no entanto, h√° v√°rios par√Ęmetros e, alguns deles de menor relev√Ęncia, continuam a ser calculados mensalmente. Em julho passado, o BC publicou outra circular sobre o indicador, apresentando ajustes em sua metodologia.

Fonte: www.istoedinheiro.com.br Рindicador-de-liquidez-de-curto-prazo-lcr-diz-comite-de-basileia

Cade reprova negócio envolvendo JBJ, de irmão de Joesley

Resultado de imagem para cadeO Conselho Administrativo de Defesa Econ√īmica (Cade) reprovou nesta quarta-feira a compra dos frigor√≠ficos Mataboi pela JBJ, empresa de Jos√© Batista J√ļnior, irm√£o de Joesley e Wesley Batista. Na segunda-feira, o Broadcast adiantou que a tend√™ncia era o conselho vetar a opera√ß√£o.

As empresas ter√£o 30 dias para separar seus neg√≥cios. Todos os conselheiros seguiram o relator do processo, Alexandre Cordeiro. Em seu voto, o conselheiro afirmou que, isoladamente, a fus√£o Mataboi/JBJ n√£o traz preocupa√ß√£o concorrencial, mas a rela√ß√£o de parentesco do dono da empresa, conhecido como J√ļnior Friboi, e os controladores da JBS poderiam gerar problemas. ‚ÄúAs rela√ß√Ķes entre JBS e JBJ s√£o suficientemente fortes para levar √† coordena√ß√£o entre as empresas, a ponto de ser melhor prevenir riscos concorrenciais‚ÄĚ, afirmou.

Nas √ļltimas an√°lises de opera√ß√Ķes envolvendo a JBS, o Cade j√° havia determinado que a JBS n√£o poderia comprar novos frigor√≠ficos em mercados em que j√° tem entre 30% e 50% de participa√ß√£o.

A defesa da JBJ alega que a empresa √© independente da JBS. A advogada da Mataboi, Priscila Brolio, afirmou que J√ļnior Friboi fundou a JBJ justamente porque queria separar a vida familiar da vida empresarial. ‚ÄúA inten√ß√£o dele √© ter o seu grupo de forma totalmente separada da sua fam√≠lia‚ÄĚ, afirmou.

Priscila disse que existem apenas ‚Äúespecula√ß√Ķes infundadas‚ÄĚ e n√£o h√° evid√™ncia de atua√ß√£o coordenada entre as duas empresas. A advogada da Mataboi ressaltou os investimentos elevados feitos na empresa desde a aquisi√ß√£o, que permitiu que sa√≠sse da recupera√ß√£o judicial. ‚ÄúIsso √© totalmente incompat√≠vel com a ideia de querer tirar um concorrente de mercado ou favorecer outras empresas‚ÄĚ, afirmou.

Voto.¬†O relator lembrou, em seu voto, o parecer da Superintend√™ncia-Geral do Cade, que considerou o cen√°rio de eventual coordena√ß√£o entre a JBS e a JBJ, j√° que as rela√ß√Ķes entre os controladores poderiam levar a um alinhamento entre as empresas.

Cordeiro tamb√©m fez sua an√°lise considerando as participa√ß√Ķes conjuntas da JBS e JBJ nos mercados de atua√ß√£o da Mataboi e o impacto concorrencial disso. ‚ÄúQuando analisado todo o cen√°rio, poucas empresas s√£o realmente capazes de concorrer com a JBS‚ÄĚ, afirma.

Ele ressaltou o pai de J√ļnior Friboi, Jos√© Batista Sobrinho, fundador e atual presidente da JBS, tem pequena participa√ß√£o societ√°ria da JBJ e que J√ļnior atuou por muitos anos na empresa da fam√≠lia, da qual era s√≥cio at√© 2013.

Em setembro de 2013, os irm√£os Joesley e Wesley Batista foram afastados da presid√™ncia pela Justi√ßa e J√ļnior Friboi foi indicado para assumir a presid√™ncia interinamente, o que n√£o chegou a se concretizar porque os irm√£os Batista chegaram a um acordo com o Judici√°rio antes. ‚ÄúH√° interesses financeiros suficientemente elevados para caracteriz√°-los como grupo econ√īmico ou poder de influ√™ncia‚ÄĚ, afirmou.

Cordeiro concluiu que a aquisi√ß√£o mesmo que de apenas um frigor√≠fico elevaria ainda mais a concentra√ß√£o da JBS. ‚ÄúN√£o h√° rem√©dios para a opera√ß√£o, devendo a decis√£o ser no sentido da reprova√ß√£o da opera√ß√£o‚ÄĚ, completou.

Essa dever√° ser a √ļltima sess√£o do conselheiro, que foi indicado para assumir a Superintend√™ncia-Geral do Cade.

Prazo.¬†O Cade deu agora 30 dias para que as empresas desfa√ßam a opera√ß√£o – a Mataboi j√° vinha sendo administrada por J√ļnior Friboi, que comprou a empresa em 2014, quando o frigor√≠fico estava em recupera√ß√£o judicial. O movimento ocorreu ap√≥s ele deixar o grupo JBS em 2013 com planos de concorrer ao governo de Goi√°s, que n√£o se concretizaram.

As três unidades compradas da Mataboi formam todos os ativos frigoríficos da JBJ, que tem também fazendas de gado para abate e empreendimentos imobiliários. A operação só foi notificada ao Cade em 12 de novembro de 2016, fora dos prazos legais. Com isso, o tribunal multou as empresas em R$ 664 mil no fim do ano passado.

Fonte: economia.estadao.com.br Рcade-reprova-negocio-envolvendo-jbj-de-irmao-de-joesley

CVM processa diretor de rela√ß√Ķes com investidores da JBS

Resultado de imagem para jbsA Comiss√£o de Valores Mobili√°rios (CVM) abriu o primeiro processo administrativo sancionador decorrente das investiga√ß√Ķes iniciadas ap√≥s a colabora√ß√£o premiada dos irm√£os Joesley e Wesley Batista vir a tona.

O primeiro alvo do grupo na mira do √≥rg√£o regulador de capitais, entretanto, n√£o ser√° da fam√≠lia de controladores, mas sim o diretor de rela√ß√Ķes com investidores da¬†JBS¬†S.A., Jeremiah Alphonsus O‚ÄôCallaghan.

O executivo √© acusado de suposta infra√ß√£o ao dever de informar, por n√£o inquirir os administradores e controladores da JBS S.A. a respeito das informa√ß√Ķes referentes √† celebra√ß√£o dos acordos de colabora√ß√£o premiada junto ao Minist√©rio P√ļblico Federal, veiculadas na imprensa em 17 de maio.

Para a CVM, ele falhou tamb√©m por divulgar intempestivamente e de forma inapropriada comunicado a mercado com informa√ß√Ķes sobre o que seria um Fato Relevante.

Tecnicamente o processo contra O‚ÄôCallaghan fala de infra√ß√£o ao disposto no artigo 157, par√°grafo 4¬ļ, da Lei das S.A., que trata do dever de informar.

O parágrafo em questão diz que os administradores da companhia aberta são obrigados a comunicar imediatamente à bolsa de valores e a divulgar pela imprensa qualquer fato relevante ocorrido nos seus negócios, que possa influir na decisão dos investidores do mercado de vender ou comprar papéis emitidos pela companhia.

Pela Instrução 358, também citada na descrição do processo, a obrigação de divulgar ao mercado esses fatos é do diretor de RI.

A CVM e a bolsa de valores podem exigir dele esclarecimentos sobre essa divulga√ß√£o. Nessa hip√≥tese, ou caso ocorra oscila√ß√£o at√≠pica das a√ß√Ķes da companhia, o diretor dever√° inquirir as pessoas com acesso a atos ou fatos relevantes, com o objetivo de averiguar se estas t√™m conhecimento de informa√ß√Ķes que devam ser divulgadas ao mercado.

O processo sancionador vem ap√≥s investiga√ß√Ķes da CVM chegarem ao ponto de a √°rea t√©cnica formular um termo de acusa√ß√£o.

Caso não faça um acordo, o executivo vai a julgamento e pode ser multado ou receber penas como inabilitação para atuar em companhias abertas. O órgão regulador do mercado de capitais aguarda a defesa de O’Callaghan.

O Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, está tentando contato com o diretor, mas ainda não teve retorno.

Desde maio a CVM abriu oito processos administrativos preliminares envolvendo a JBS, seus executivos e outras empresas ligadas à holding J&F, além de três inquéritos administrativos.

Eles tratam de opera√ß√Ķes com a√ß√Ķes e no mercado de d√≥lar futuro, supostamente com uso de informa√ß√£o privilegiada e a atua√ß√£o da Eldorado Brasil Celulose e da Seara Alimentos em negocia√ß√Ķes com contratos de derivativos cambiais.

Como publicado na semana passada pela Coluna do Broadcast, o inqu√©rito sobre uso de informa√ß√£o privilegiada (insider trading) envolvendo a venda de a√ß√Ķes da JBS j√° foi conclu√≠do pela Superintend√™ncia de Processos Sancionadores (SPS).

O texto traz acusa√ß√Ķes de ‚Äúinsider‚ÄĚ e manipula√ß√£o de mercado contra os irm√£os Batista, assim como na den√ļncia do Minist√©rio P√ļblico Federal.

A xerife do mercado de capitais fala ainda em abuso de poder de controle. A FB Participa√ß√Ķes, controladora da JBS, tamb√©m est√° na mira.

O relatório final, contudo, só deve ser assinado no fim do mês, após passar pela Procuradoria Federal Especializada (PFE).

H√° ainda em curso dois processos de fiscaliza√ß√£o externa, para inspecionar o trabalho da BDO RCS Auditores Independentes e da KPMG Auditores Independentes, que auditaram demonstra√ß√Ķes financeiras da JBS entre 2009 e 2016.

O primeiro processo administrativo foi instaurado em 18 de maio, um dia após notícias envolvendo a delação de acionistas controladores da companhia e outros executivos do grupo.

O empresário Joesley Batista, administrador e acionista controlador da JBS, citou o presidente Michel Temer na sua delação, dando início a uma crise política no seu governo.

Fonte: exame.abril.com.br Рcvm-processa-diretor-de-relacoes-com-investidores-da-jbs