Ausencia de conduta e ética: Lochte perde 4 patrocinadores após inventar assalto no Rio

Ryan Lochte - REUTERS/David GrayQuando alguém comenta que a empresa não tem nada a ver com que o funcionário faz fora dela, podemos dizer que não é bem assim, devemos demonstrar nossa conduta, carater e ética, e não comprometer a quem nos financia ou remunera, basta ver a matéria abaixo:

Quatro empresas anunciaram nesta segunda-feira o fim de seus contratos com o nadador americano Ryan Lochte pelo comportamento polêmico do atleta, que inventou um assalto armado sofrido em um posto de gasolina junto com outros três companheiros durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Após admitir que mentiu, o atleta explicou que, na verdade, ele e os outros três atletas da equipe de natação dos Estados Unidos estavam bêbados e provocaram um quebra-quebra no posto de gasolina.

Quando foram cobrados pelos danos e não quiseram pagar, os seguranças os obrigaram a dar dinheiro sob a mira de uma arma.

Lochte soube hoje que três das quatro companhias que o patrocinavam РSpeedo, Gentle Hair Removal e Airwave Рencerraram os contratos que mantinham com ele. Já a Ralph Lauren disse que não renovaria o vínculo concluído após a disputa do Rio 2016.

“Apesar de desfrutarmos de uma rela√ß√£o de sucesso com Ryan durante mais de uma d√©cada e de ter sido um integrante importante da equipe Speedo, n√£o podemos perdoar um comportamento que vai contra os valores que esta marca defende h√° muito tempo”, afirmou a Speedo em comunicado, no qual divulgou que doar√° uma parte dos US$ 50 mil dos honor√°rios de do nadador √† ONG Save The Children.

O atleta de 32 anos emitiu uma nota de resposta na qual disse respeitar a decisão da Speedo e agradeceu as oportunidades que a aliança de anos o rendeu.

Por sua vez, a Ralph Lauren disse que o acordo com Lochte era especificamente para os Jogos Ol√≠mpicos do Rio e que a companhia n√£o renovar√° o v√≠nculo. De acordo com a “ESPN” americana, o nadador conta com uns patroc√≠nios anuais de US$ 1 milh√£o.

“A Ralph Laurent seguir√° patrocinando com orgulho a equipe ol√≠mpica e paral√≠mpica dos Estados Unidos e os valores representados pelos atletas. O contrato com Ryan Lochte era especificamente em apoio dos Jogos Ol√≠mpicos do Rio e n√£o ser√° renovado”, disse a empresa em nota.

Depois chegaram os comunicados da Airwave e da Gentle Hair Removal, que tinham manifestado inicialmente que iriam esperar saber de fato o que ocorreu para se posicionarem sobre o assunto.

Dono de 12 medalhas olímpicas, Lochte provocou grande polêmica ao fingir ter sido assaltado a mão armada durante os Jogos para esconder a confusão que ele e os outros três nadadores causaram em um posto de gasolina do Rio, quando, embriagados, retornavam à Vila Olímpica após uma balada.

Leia mais em: http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/lochte-perde-4-patrocinadores-apos-inventar-assalto-no-rio

‚ÄėDez Medidas‚Äô s√£o criticadas em audi√™ncia na C√Ęmara

Impressionante como ainda estamos atrasados, a quest√£o da corrup√ß√£o em nosso pa√≠s, necessita de mudan√ßas severas na legisla√ß√£o ¬†e quando tentamos mudar alguma coisa, os nossos governantes acabam com tudo, pois tem o poder da caneta, e deveriamos acabar tamb√©m com a imunidade parlamentar, errou, ficou provado, deveriamos tomar todos os bens que n√£o possuem comprova√ß√£o de fonte e origem e manter presos os corruptos e pessoas com desvio de conduta, mas ao ver a mat√©ria abaixo, vale a pena lamentar, leiam e tirem as suas conclus√Ķes.

Embora apoiado por 2 milh√Ķes de assinaturas e festejado por muitos procuradores, o projeto das ‚ÄúDez Medidas Contra a Corrup√ß√£o‚ÄĚ ter√° vida dura no Congresso. Nomes de peso como Roberto Romano, professor de √Čtica da Unicamp, e o advogado Augusto Botelho ¬†fizeram fortes reparos a v√°rios artigos da proposta em audi√™ncia p√ļblica na C√Ęmara, nesta segunda-feira √† noite.

Romano elogiou a defesa da transpar√™ncia mas criticou, entre outros, o artigo que prev√™ compensa√ß√£o ¬†a quem contribuir para obter provas ou ajudar a encontrar bens em a√ß√£o penal ‚Äú√Č contra a f√© p√ļblica mover profissionais √† dela√ß√£o paga‚ÄĚ, argumentou. Ele sugeriu prud√™ncia no uso de recursos, por temer que ‚Äúsistemas punitivos se tornem autorit√°rios‚ÄĚ.

Botelho, que √© conselheiro do Instituto de Defesa do Direito de Defesa, reprovou ‚Äúos dispositivos que tratam dos recursos judiciais e das nulidades penais‚ÄĚ. O que o Minist√©rio P√ļblico prop√Ķe, disse ele, √© ‚Äúum C√≥digo de Processo Penal altamente voltado ao interesse da acusa√ß√£o‚ÄĚ.

O relator Onyx Lorenzoni¬†disse que vai ‚Äúouvir todo mundo‚ÄĚ para melhorar o projeto. ‚ÄúMas n√£o d√° para continuar com os atuais instrumentos, achando que eles s√£o suficientes. Esse √© um pa√≠s que rouba R$ 100 bilh√Ķes por ano da administra√ß√£o p√ļblica‚ÄĚ, acrescentou.

Leia mais em: http://cultura.estadao.com.br/blogs/direto-da-fonte/dez-medidas-sao-criticadas-em-audiencia-na-camara/

Após maior prejuízo da história, BHP pode ter chegado ao fundo do poço

PHOTO: AGENCE FRANCE-PRESSE/GETTY IMAGESA BHP Billiton Ltd., maior mineradora do mundo em valor de mercado, registrou o pior preju√≠zo anual de sua hist√≥ria, abatida pelos pre√ßos deprimidos das commodities e US$ 7,7 bilh√Ķes em baixas cont√°beis.

A mineradora anglo-australiana divulgou um preju√≠zo l√≠quido de US$ 6,39 bilh√Ķes no ano fiscal encerrado em junho, ante um lucro l√≠quido de US$ 1,91 bilh√£o no ano anterior. O lucro subjacente, que exclui despesas n√£o recorrentes, caiu 81%, para US$ 1,22 bilh√£o.

Em 2011, o lucro anual foi maior que US$ 20 bilh√Ķes.

O preju√≠zo aprofunda o mau momento do setor global de minera√ß√£o, que reagiu √†s incertezas da economia mundial e √† queda generalizada nos pre√ßos das mat√©rias-primas ‚ÄĒ desde o cobre at√© o min√©rio de ferro ‚ÄĒ fechando minas, demitindo funcion√°rios e cortando os dividendos dos investidores.

Os lucros da BHP tamb√©m foram afetados por problemas n√£o compartilhados pelas demais empresas do setor: o desastre fatal ocorrido no ano passado em Mariana, MG, com o rompimento de uma barragem de rejeitos da Samarco Minera√ß√£o, uma joint venture da BHP com a brasileira Vale SA. O enorme total em baixas cont√°beis no resultado da BHP est√° quase todo ligado √† Samarco (US$ 2,2 bilh√Ķes) e a ativos de petr√≥leo na regi√£o continental dos Estados Unidos (US$ 4,9 bilh√Ķes). A divis√£o de petr√≥leo da BHP, criada para ajudar a empresa a atravessar os tempos ruins do mercado de metais, registrou preju√≠zo de US$ 7,72 bilh√Ķes depois das baixas cont√°beis.

A perda anual foi a primeira registrada pelo grupo BHP Billiton todo desde que ele foi criado, em 2001, pela fus√£o da australiana BHP Ltd. e da brit√Ęnica Billiton PLC. Antes disso, a BHP s√≥ havia registrado um preju√≠zo anual uma √ļnica vez, em 1999, quando os pre√ßos das commodities tamb√©m estavam baixos.

‚ÄúEstamos claramente decepcionados com esse resultado. Entretanto, o desempenho subjacente de nosso neg√≥cio […] permanece e est√° se fortalecendo‚ÄĚ, disse o diretor-presidente, Andrew Mackenzie.

A empresa, que em fevereiro abandonou sua pol√≠tica de elevar ou manter os dividendos est√°veis a cada semestre fiscal, reduziu os pagamentos finais em 77%. Ainda assim, a US$ 0,14 por a√ß√£o, o dividendo ficou bem acima do m√≠nimo de US$ 0,08 exigido pelas regras da BHP, o que ela afirma ser um reflexo da confian√ßa na sa√ļde das suas finan√ßas.

Em vez de sinalizar que uma recupera√ß√£o nos pre√ßos das commodities √© iminente, a BHP afirmou que a oferta abundante de petr√≥leo e de metais como o cobre deve persistir. Ela tamb√©m acredita que a economia da China ‚ÄĒ o principal consumidor da maioria das commodities produzidas pela BHP, principalmente min√©rio de ferro ‚ÄĒ vai apenas se estabilizar, em vez de se recuperar.

Em rea√ß√£o ao resultado, a BHP afirmou que mant√©m sua meta de aumentar a produtividade para gerar economias de US$ 2,2 bilh√Ķes no per√≠odo de dois anos que termina em junho de 2017. Ao mesmo tempo, a empresa pretende avan√ßar com cautela em novos projetos, como um campo petrol√≠fero de √°guas profundas no Golfo do M√©xico, para aumentar a receita.

‚ÄúN√≥s estamos come√ßando a finalmente atingir uma margem descente e, portanto, uma forte capacidade de gera√ß√£o de caixa‚ÄĚ, disse Mackenzie. A cota√ß√£o das a√ß√Ķes da BHP subiu 0,67% ontem, na bolsa de Londres, impulsionada por previs√Ķes de que a empresa poderia dobrar seu fluxo de caixa livre nos pr√≥ximos 12 meses, se os pre√ßos das commodities permanecerem est√°veis.

Em 2015, a BHP desmembrou algumas √°reas, como mangan√™s e alumina, em uma nova empresa chamada South32 Ltd., com a√ß√Ķes negociadas na Austr√°lia, Londres e √Āfrica do Sul. Mackenzie justificou a reestrutura√ß√£o ‚ÄĒ uma das maiores tentativas feitas por uma mineradora global na crise atual ‚ÄĒ como uma forma de elevar o lucro da BHP priorizando apenas os maiores ativos da empresa.

A estrat√©gia ainda n√£o deu resultado. Embora as a√ß√Ķes da South32 tenham subido 25% nos √ļltimos 12 meses, as da BHP ca√≠ram 20%. Mackenzie insiste que a BHP estaria pior agora se n√£o tivesse sido reestruturada, dizendo que o atual portf√≥lio da empresa est√° ‚Äúbem perto do que eu diria ser ideal para a BHP Billiton neste momento‚ÄĚ.

O banco su√≠√ßo Credit Suisse afirma que o ano financeiro de 2016 deve ser o fundo do po√ßo no ciclo de resultados da BHP, apesar da incerteza global gerada por eventos como a desacelera√ß√£o econ√īmica da China e a decis√£o do Reino Unido de deixar a Uni√£o Europeia. Outros analistas dizem que a BHP pode precisar reservar mais dinheiro para fazer frente aos custos do acidente de Mariana.

√Č verdade que a BHP n√£o √© a √ļnica que est√° sofrendo com os mercados de commodities. Em julho, a Anglo American PLC divulgou um preju√≠zo de US$ 813 milh√Ķes no primeiro semestre, provocado por baixas cont√°beis de US$ 1,2 bilh√£o em alguns ativos de carv√£o na Austr√°lia.

A decis√£o da BHP, por√©m, de comprar ativos petrol√≠feros durante a alta dos pre√ßos de petr√≥leo e g√°s est√° agora agravando os problemas na minera√ß√£o. A empresa injetou quase US$ 20 bilh√Ķes na explora√ß√£o de forma√ß√Ķes de xisto nos EUA em 2011, tornando-se um dos principais produtores de petr√≥leo fora do grupo das grandes petrol√≠feras integradas, como a Exxon Mobil Corp.

A queda dos pre√ßos do petr√≥leo tornou a unidade ‚Äúuma crian√ßa problema‚ÄĚ, afirmou o Credit Suisse numa nota de pesquisa divulgada em 9 de agosto.

Ainda assim, Mackenzie defendeu a unidade de petróleo pelo que ele chamou de efeito compensador da volatilidade no longo prazo.

‚ÄúNosso neg√≥cio de petr√≥leo √© um neg√≥cio melhor por estar dentro de um neg√≥cio de minera√ß√£o; nosso neg√≥cio de minera√ß√£o √© um neg√≥cio melhor por estar ao lado de nosso neg√≥cio de petr√≥leo‚ÄĚ, disse ele.

Leia mais em: http://br.wsj.com/articles/SB11140307292510064653904582256043430478600?tesla=y

4¬ļ Workshop Empresarial: ‚ÄúGest√£o de Compliance e seus desafios‚ÄĚ

WorkshopA MASSI Consultoria, em parceria com a INTRALINKS, convida voc√™ a participar do nosso 4¬ļ Workshop Empresarial: ‚ÄúGest√£o de Compliance e seus desafios‚ÄĚ. Em apenas uma manh√£ teremos as palestras de √āngela Martins, Cl√°udio Yamashita e Marcos Assi, trazendo uma nova vis√£o sobre a atua√ß√£o de Compliance no cen√°rio brasileiro atual. Oportunidade √ļnica de discutir e trocar ideias sobre os rumos da Gest√£o de Compliance em sua organiza√ß√£o.

Programe-se e venha passar uma manhã agradável e produtiva. Vagas limitadas e desconto especial para mais de 1 inscrição.

Vai perder a chance de trocar experiencias e apreciar um evento focado em melhores praticas e solu√ß√Ķes para gest√£o de Compliance? Se eu fosse voce, n√£o deixaria para depois, e fa√ßa sua inscri√ß√£o em nosso site: www.massiconsultoria.com.br.

Risco Ambiental: Justiça mantém decisão contra Samarco, BHP e Vale

Responsabilidade por Mariana também é do governo, diz ONU

Foto: M√°rcio Fernandes/Estad√£o – O distrito de Bento Rodrigues, na cidade de Mariana, em Minas Gerais, foi devastado pela lama

A Vale informou nesta quinta-feira, 18, que a Justiça manteve nesta quarta-feira, 17, decisão liminar contra a empresa e sua sócia na mineradora Samarco, a BHP Billiton, após o rompimento da barragem de rejeitos em Mariana. A Quinta Turma do Tribunal Regional Federal da 2ª Região negou provimento ao agravo de instrumento interposto pela Vale.

A a√ß√£o civil p√ļblica tramita na 12¬™ Vara Federal, de Belo Horizonte. O valor da causa permanece inalterado em R$ 20,2 bilh√Ķes.

Conforme comunicado ao mercado, foram mantidos os pedidos postulados pelos autores da a√ß√£o – Uni√£o Federal, os Estados de Minas Gerais e do Esp√≠rito Santo, e outros institutos – , o que inclui a indisponibilidade das concess√Ķes miner√°rias para a lavra de min√©rio, “sem, contudo, limita√ß√£o de suas atividades de produ√ß√£o e comercializa√ß√£o”.

View image on TwitterA Vale tamb√©m lembrou que o acordo com as autoridades brasileiras para restaura√ß√£o do meio ambiente e das comunidades afetadas pela ruptura da barragem continua v√°lido “e as partes continuar√£o a cumprir com as suas obriga√ß√Ķes l√° previstas, tendo sido a Funda√ß√£o Renova devidamente constitu√≠da para desenvolver e executar os programas de longo prazo para remedia√ß√£o e compensa√ß√£o previstos.”

“A Vale continua adotando todas as medidas para assegurar seu direito de defesa na a√ß√£o e na homologa√ß√£o do acordo”, informou a nota.

A Vale reconheceu uma provis√£o de US$ 1,2 bilh√£o nas suas demonstra√ß√Ķes cont√°beis de 30 de junho deste ano referente ao acordo com as autoridades brasileiras e informou “reduzida expectativa” de retorno das opera√ß√Ķes da Samarco em 2016.

Essa provisão foi um dos fatores que afetaram o resultado da companhia referente ao segundo trimestre, com queda de 34% no lucro líquido, para US$ 1,106 bilhão, em relação ao mesmo período do ano passado e recuo de 38% sobre o primeiro trimestre.

Fonte: http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,justica-mantem-decisao-contra-samarco-bph-e-vale,10000070408